Inmetro aposta em mais parceria com o setor de combustíveis

Há no país uma verdadeira “indústria da fraude”, com os criminosos desenvolvendo novas técnicas para burlar a lei e lesar os cidadãos. No setor de combustíveis, os fraudadores lançam mão de chips dentro das bombas, falsificam placas eletrônicas e até desenvolvem controle remoto que aciona a distância os sistemas adulterados. Clodoaldo José Ferreira, novo diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), afirma que a instituição pretende estreitar os laços com o segmento de combustível para combater as ações criminosas.

“Buscamos mais parceria com a Plural, Fecombustíveis e sindicatos estaduais. Estamos nos empenhando muito para, em um primeiro momento, pelo menos minimizar os problemas. Para isso, contamos com o forte apoio do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP), por meio de tecnologias desenvolvidas pelo setor de TI do Ipem”, ressaltou o diretor.

Novos padrões técnicos nas bombas

De acordo com Ferreira, o Inmetro criou a portaria 559/2016, atualizada em 2018 pela portaria 294. Nas portarias, são definidos novos padrões técnicos e recursos que deverão estar presentes em todas as bombas fabricadas a partir de 2019. A médio e longo prazos, a instituição está apostando em legislação de ponta e novas tecnologias, mas, ainda segundo o diretor, é preciso agir contra as fraudes que estão acontecendo no dia a dia, em sua maioria, fraudes eletrônicas.

“Estamos tentando ajudar o segmento de combustíveis, conversando com representantes da área, para minimizar os problemas nos equipamentos que estão sendo usados hoje, já que a substituição de todas as bombas do mercado ainda vai demorar. Nos novos equipamentos, vamos trabalhar com um chip e a leitura de um certificado digital, que vão coibir qualquer tipo de fraude eletrônica”, completou o diretor.

Por Alessandra de Paula