Motor

Gasolina comum, ou aditivada: qual é a melhor para os antigos?

Publicado em 15/02/2019 por Redação

Amor por um determinado modelo de carro? Paixão de infância? Memória afetiva? Não é fácil definir o laço que une um veículo de coleção ao seu feliz proprietário. Tratados como verdadeiros “filhos”, esses automóveis requerem cuidados mais do que especiais, sendo um deles, e talvez um dos mais importantes, com o combustível que abastece o motor. Os motivos são vários, já que um carro clássico não costuma sair da garagem com tanta frequência (confira quanto tempo a gasolina pode ficar no tanque)

Especialista em combustíveis da Raízen, licenciada da marca Shell, Gilberto Pose, garante que a melhor opção para os proprietários é utilizar gasolina aditivada para preservar suas relíquias. Ele explica que, como muitos donos de carros clássicos não rodam tanto com seus veículos, o combustível fica parado no tanque. Isso cria uma tendência à formação de depósito nos tanques e gomas no sistema de alimentação de combustível, o que é mitigado pela gasolina aditivada.

“Já fizemos experiências recentes com gasolina comum e aditivada, e a presença do aditivo aumenta consideravelmente a vida útil do combustível”, ressalta o especialista. “O etanol, que é mais presente na mistura da gasolina comum (27%, contra 25% da gasolina Premium), gera oxidação e envelhecimento acelerado. Com uma gasolina de aditivação robusta, você pode ter um prazo de estoque de até cinco anos garantido”, lembra Pose.

Botando os antigos para rodar

Carro clássico não deve ser um carro esquecido, muito pelo contrário. Como bem lembra Pose, sair com o veículo regularmente é uma forma de mantê-lo funcionando corretamente. Ele recomenda que os donos de veículos antigos não os deixem sem rodar por períodos prolongados. “Embora o aditivo da gasolina proporcione essa estabilidade prolongada, você tem inúmeros componentes no veículo que também sofrem com o tempo. “Donos de veículos clássicos têm uma verdadeira paixão por seus carros e gostam de rodar com eles, o ideal é que continuem fazendo isso”, ressalta.

Leia também: