Motor

Ar-condicionado e consumo: dicas para o verão que vem por aí

Publicado em 14/12/2018 por Redação

Quanto que o ar-condicionado interfere no consumo? Há algum combustível “mágico” que não sofra tanto o efeito do ar ligado? Chega o verão e crescem as dúvidas sobre os efeitos do equipamento no automóvel. Consultor sênior da BR, Antonio Alexandre Ferreira indica que, como qualquer benefício, o ar-condicionado tem seu preço e, sim, aumenta o consumo de combustível do veículo.

“Embora os atuais aparelhos já sejam bem mais eficientes, dosando a potência e até desarmando para interferir menos na força do motor, eles fazem com que o carro gaste mais combustível. Todo conforto cobra uma conta”, lembra o especialista.

O impacto, no entanto, varia de acordo com a potência do veículo: quanto mais potente, menos esse consumo aumenta. Um motor V8, por exemplo, não é tão impactado pelo equipamento. Já um carro 1.0 faz com que o motorista sinta, com muito mais evidência, que a potência do motor foi reduzida ao ligar o ar. Apesar de não haver um número definitivo, estima-se que o ar-condicionado aumenta o consumo de combustível em cerca de 10%.

Sem ar e com janela aberta: economiza?

Curiosamente, andar com as janelas abertas, alternativa comum para se evitar maiores gastos, acaba, dependo da ocasião, não tendo os resultados esperados. “Quando você abre a janela, interfere na aerodinâmica do veículo. Isso é nulo na cidade. Porém, na estrada, com alta velocidade, isso vai gerar uma certa resistência, o que também faz o carro gastar mais”, explica o especialista da BR.

Antonio também é taxativo sobre o que fazer para não se gastar tanto com o ar condicionado. “Não existe essa história de combustível milagroso. O que vai fazer a diferença é uma série de práticas, como manutenção em dia, carro alinhado, pneus calibrados e, sobretudo, você ter práticas saudáveis na hora de dirigir”, aconselha o especialista.

Dicas para maior eficiência do ar-condicionado

Carro estacionado sob sol forte:
Em um dia muito quente, caso tenha estacionado o seu carro em um local sem proteção do sol, atente-se para esfriar um pouco a cabine antes de entrar em seu interior. Com ele parado, abra as portas para circular o ar. Durante os primeiros minutos, ande com o carro com as janelas abertas para que o ar quente possa deixar o seu interior mais rapidamente. Ainda com as janelas abaixadas, ligue o ar-condicionado para que o ar quente possa ser substituído pelo frio. Assim que estabilizar um pouco mais a temperatura, os vidros podem ser fechados por completo.

Manutenção do ar em dia:
A manutenção do ar-condicionado do carro é de extrema importância. Assim como a limpeza, ou a troca do filtro de tempos em tempos, verificar o nível do gás refrigerante, responsável por gelar sistema, também é essencial.

O ar deve ser ligado até no inverno:
Mesmo no inverno, a recomendação é ligar o ar pelo menos uma vez por semana para que o sistema se mantenha lubrificado, preservando, assim, juntas e outras peças emborrachadas responsáveis pela sua correta vedação. Dessa forma, o ar funcionará em sua capacidade plena por mais tempo.

Direcione para cima as saídas de ar:
O ar frio é mais pesado que o quente. Sendo assim, procure direcionar as saídas do ar-condicionado para cima, pois, dessa forma, a cabine esfriará mais uniformemente.

Atente-se à recirculação de ar:
Outro ponto importante diz respeito à recirculação do ar, que é aquele botão que evita que o ar de fora entre para dentro da cabine. Em dias muito quentes, em que o carro ficou parado sob sol forte, esse tipo de dispositivo faz com que o sistema não capte o ar externo, mais fresco, fazendo circular somente o ar quente do seu interior. Nesse caso, a diminuição da temperatura levará muito mais tempo.

Temperatura ideal:
Apesar de a intensidade do ar-condicionado ser uma escolha pessoal de conforto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda, como padrão referencial de qualidade do ar interior, que a temperatura em ambientes climatizados fique entre 23°C e 26°C.